sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Dízimo era só alimentos? Jesus era dizimista?

Meu caro Infiel em respeito a nossa amizade e amor de sua alma, escrevo essas humildades palavras, pois ultimamente venho notando que sua vida está rodeada de controvérsias em relação a dízimos e ofertas.
Concordo que não há uma grande quantidade de versículos a respeito do dízimo no Novo Testamento. Mas também não existe uma passagem sequer desaprovando essa forma de contribuição.
O que significa a palavra Dízimo? É referente à décima parte de um todo.
Vamos responder a algumas perguntas em relação a Dízimos:
1- Jesus foi Dizimista? Precisamos andar nos passos de Jesus? O que faria Jesus em seu Lugar seria um dizimista?
Jesus foi educado num piedoso lar judeu, e os judeus piedosos eram dizimistas. Jesus declarou que não veio ab-rogar a lei e os profetas, mas cumpri-los. (Mt 5.17). O dízimo é ensinado tanto na lei como nos profetas.  Jesus em seu ensino elevou o nível moral em relação ao assassinato , adultério e  juramento. Pergunto eu será que Ele ficaria satisfeito, em matéria de contribuição, com um padrão inferior ao dízimo?
 Os inimigos de Jesus tentaram convencê-lo de que estava violando a lei, por exemplo, no caso da observância do Sábado. Não será estranho que eles nunca o tivessem acusado de violar a lei do dízimo, se Ele não o praticasse?  O Talmude proibia que um fariseu zeloso sentasse a mesa com outro fariseu não dizimista. E os fariseus sentaram-se à mesa com Jesus.
“Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus”  (Mt 5:20)
“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.”
Os fariseus davam dizimo até de temperos, será que dando esmolas para a obra de Deus estaremos excedendo a Justiça dos fariseus?
Resumindo Jesus era dizimista. Ser cristão é seguir o exemplo de Jesus.
2- O dízimo foi instituído na lei? Era ele só alimentos?

E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e era este sacerdote do Deus Altíssimo.E abençoou-o, e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra;E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo. Gênesis 14:18-20
Aqui o dízimo aparece uns 400 anos antes da lei, e sem mandamentos divino (Gálatas 3:17), se o dízimo apareceu, na história do povo de Deus, tanto tempo antes da lei, certamente, não é criação sua, e muito menos, sua exclusividade. Mas pensemos um pouco a respeito da pessoa de Abraão e a sua relação para conosco. Abraão é nosso pai na fé, todo o cap. 4 de romanos nos faz esta revelação, o ver 16 desse capítulo diz precisamente o seguinte “portanto, é pela fé, para que segundo a graça, afim de que a promessa seja firme a toda a posteridade, não somente à que é da lei, mas também à que é da fé de Abraão, o qual é pai de todos nós”. Paulo escreveu em (Gálatas 3:7-9), “sabeis, pois, que os que são da fé são filhos de Abraão, ora tendo a escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o Evangelho a Abraão, dizendo todas as nações serão benditas em ti, não parece dúvida! os crentes de todo o mundo são filhos do crente Abraão! e Abraão pagou o dízimo! Dele nós temos esta herança de benção; além da herança da fé. e note-se Abraão pagou dízimo quando estava na incircuncisão, isto é, quando ainda era gentio. portanto o dízimo nada tem haver com a lei no tocante a sua origem, pois surgiu muito antes dela, arranque-se da Bíblia todo o conteúdo da lei e ainda fica o Dízimo, na sua íntegra exatamente na parte que nos toca a fé e a justiça de Abraão, de quem, espiritualmente, descendemos.

(Hebreus 7:14) o sacerdócio de Melquisedeque era tão grande que o fez maior que Abraão, Cristo é maior que Abraão, do que Moisés, e mais sublime do que os céus: o sacerdócio de Melquisedeque é superior ao sacerdócio de Levi (da lei) e se prende diretamente a Cristo. Não há dúvida o sacerdócio de Cristo nada tem a ver com o sacerdócio de Levi, de Arão ou da lei. O sacerdócio de Cristo é o sacerdócio de Melquisedeque.

Realmente, os dízimos foram dados para o sustento dos levitas (Números 18:24). Mas, no Novo Testamento, Paulo mesmo disse (fazendo menção aos que cuidam do templo – os levitas) que os que pregam o evangelho devem viver do evangelho (independente do tipo de moeda que circule):
“Não sabeis vós que os que prestam serviços sagrados do próprio templo se alimentam? E quem serve ao altar do altar tira o seu sustento? Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho” 1 Coríntios 9:13-14.
É bastante claro que aqui Paulo trata do sistema de dízimos, pois, menciona o trabalho dos levitas (que você mesmo reconhece ser mantido pelos dízimos) para ilustrar e ensinar que os que pregavam o evangelho nos dias dele também deveriam ser mantidos pelo dízimo! E, nos dias de Paulo, além de produtos agrícolas, já havia dinheiro em circulação (e nem todos viviam mais da agricultura apenas). E hoje, como uma pessoa que prega o evangelho irá viver somente com produtos agrícolas na nossa sociedade capitalista? A moeda é outra, e, portanto, devemos dizimar com o tipo de dinheiro que temos disponível.

Sou dizimista (não com produtos agrícolas, pois, não trabalho com eles) e muito abençoado por Deus. Essa experiência particular que cada dizimista tem é a maior prova (e um argumento irrefutável) de que o sistema de dízimos (praticado com sinceridade de coração e da maneira correta) é apoiado por Deus.

Roubará o homem a Deus? Todavia, vós me roubais e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas”. Malaquias 3:8.

Tudo o que temos, nesta vida, pertence ao Senhor (1 Co 4.7; Tg 1.17; Sl 24.1; Êx 13.2), inclusive o dinheiro (Ag 2.8,9).

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Respeito Todas as Religiões

Ruth minha prima querida
Tenho muita consideração por você  e admiro muito sua inteligência, o texto ficou excelente de um ponto de vista pós-moderno.
Só que suas ideias não passam de um grande sofisma (mentira com cara de verdade) por que?
Vamos definir a palavra respeito:
Respeito = consideração, deferência, reverência.
Consideração = Reverência, apreço ou estima que se expressa por uma pessoa ou por alguma coisa; deferência.
Deferência = Preocupação, zelo; atenção às necessidades ou aos assuntos de outrem.
Reverência = A reverência é um sentimento de amor e respeito profundo.
Acredito sim no respeito, mas por pessoas, por quê?
Por que como podemos apreciar, zelar e amar profundamente a mentira?
Respeito todas as religiões é a falácia pós-moderna, pois não existe uma pessoa que se for pensar profundamente vai chegar a tal conclusão.
Como podemos considerar, apreciar, zelar e amar profundamente a ideia de radicais islâmicos que matam pesando que estão servindo a Deus, ou religiões que sacrificam crianças para espantar mau espíritos, não precisamos ir muito longe no brasil a religião indígena que enterra VIVAS crianças que nascem deficientes pois acreditam que não tem alma?
É um absurdo pensarmos que estamos respeitando todas as religiões por não queremos nos posicionar, e ser moldados pelo padrão do politicamente correto.
Tolero, Considero, aprecio, zelo e amo profundamente o ser humano, mas suas ideias erradas sobre quem é Deus, sobre o que é certo e errado não posso concordar e ser cúmplice.
Ser cúmplice é contribuir de forma consciente, direta ou indiretamente, com o erro, é  dar oportunidade, favorecer,  fazer vista grossa, se omitir e até defender o erro praticado. Estas atitudes nos afastarão de Deus e da Sua vontade e nos aproximará do projeto diabólico de destruição de nossas vidas. O Senhor nos orienta: “ E não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as.” (Efésios 5:11)
Amar não é ser cúmplice,  amar é aconselhar, corrigir,  reprovar a atitude  e  disciplinar,  para que o envolvido no erro tenha a devida chance de mudar de atitude interior e exterior e acorde para o erro que cometeu, ou  está cometendo, e assim volte-se para Deus, conserte  os erros que cometeu e passe a ter um novo estilo de vida. A Palavra de Deus nos orienta:“ Ora, é necessário que o servo do Senhor não viva a contender, e sim deve ser brando para com todos, apto para instruir, paciente,  disciplinando com mansidão os que se opõem, na expectativa de que Deus lhes conceda não só o arrependimento para conhecerem plenamente a verdade,” (2 Timóteo 2:24-25 ).
Se um homem não descobriu nada pelo qual morreria, não está pronto para viver. O que vale não é o quanto se vive... mas como se vive... Para ter inimigos, não precisa declarar guerras, apenas diga o que pensa. Quem aceita o mal sem protestar, coopera com ele.

Martin Luther King